quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Situs Inversus
















Frida khalo


Situs solitus é a designação atribuída ao arranjo normal dos órgãos. Porém, há casos em que os indivíduos podem ser afectados por uma doença congénita proveniente de uma malformação fetal. Caracteriza-se pelos órgãos internos se apresentarem como se vistos num espelho e no lado oposto à normal distribuição dos mesmos. A esta condição dá-se o nome de Situs Inversus viscerum ou Situs oppositus.

O investigador mais importante na descoberta do Situs Inversus foi Marco Aurélio Severino, em 1643.

Pode dar-se o caso de o paciente apresentar sintomas semelhantes aos de alguém com Situs inversus, mas não se conseguir determinar a doença. Nesse caso, passa a designar-se Situs ambiguus ou heterotaxia.

O Situs inversus designa-se Situs inversus com levocardia, quando o coração permanece do lado correcto (inclinado para a esquerda) e diz-se Situs inversus com dextrocardia, quando o coração se apresenta inclinado para a direita.
Normalmente, a ordenação incorrecta dos órgãos é uma doença autossómica recessiva, ou seja, encontra-se associada aos cromossomas não sexuais e não aparece em todas as gerações. No entanto, o Situs oppositus pode estar relacionado com mutações nos genes do cromossoma X e, nesse caso, passa a ser uma doença heterossómica (relacionada com os cromossomas sexuais).
Assim, um homem portador da mutação no cromossoma X apresentará, obrigatoriamente, um fenótipo característico desta condição, uma vez que os seus heterossomas são XY. No caso da mulher, esta doença só se expressará fenotipicamente, se os dois cromossomas forem afectados, por esta ser XX.

Pathos

Esclerose Múltipla


















Os neurónios são as unidades fundamentais do sistema nervoso.

Nos vertebrados, os neurónios são revestidos pela bainha de mielina, que acelera a propagação do impulso nervoso.

No caso da Esclerose Múltipla, existem zonas caracterizadas pela falta de bainha de mielina, que se reflecte numa propagação mais lenta do impulso nervoso. A causa desta falta é desconhecida, mas pensa-se que poderá ser devida a um vírus ou a um antigénio que, de algum modo, desencadeiam uma anomalia imunológica, normalmente surgida numa idade precoce. Deste modo, o corpo produz anticorpos contra a sua própria mielina, ocasionando a inflamação desta e, posteriormente, a sua degradação.

Há também dois factores interessantes a considerar:


- Transmitissão hereditária, dado que cerca de 15 % dos indivíduos têm uma parente que sofre da doença;

- Factores ambientais, dado que a doença tem mais incidência em pessoas que passem a 1ª década da sua vida em climas temperados (1/2000) do que em climas trópicais (1/10000). Incidência quase nula nas pessoas que passem os primeiros anos da sua vida perto do equador.


Pathos

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

NASCEU O PATHOS














Julie Bell

Bom dia caros amigos seguidores,

Hoje nasce o blogue oficial do(s) Pathos. Esperemos que seja do vosso agrado e esclareça as vossas dúvidas acerca do tema proposto no título.

Publicaremos informações à medida da evolução das nossas pesquisas e é objectivo tentar fornecer respostas às questões que nos forem colocadas.

Contamos com a vossa participação,

Pathos